28 de abril de 2011

"Bullying: Essa brincadeira não tem graça nenhuma


Bullying - Fale você também
      
          Bullying é um termo em inglês utilizado para descrever a violência física e psicológica praticadas por uma pessoa ou um grupo com a intenção de intimidar ou agredir um individuo. Bullying deriva de "valentão" no caso do agressor.
        Essa prática acontece com mais frequência nas escolas, entre alunos e também professores, mas também é encontrado nas universidades, no ambiente de trabalho e na vizinhança. Na maioria dos casos é praticado por adolescentes. Atualmente está ocorrendo na internet, uma forma conhecida como "cyberbullying".
       Não fique parado, se presenciar o Bullying denuncie. Vamos acabar com isso !




É impossível eliminar o bullying', diz psicóloga
Educar as crianças para o respeito, com ações permanentes e conjuntas de escolas e pais, é a chave para aplacar o fenômeno, diz especialista.
O bullying está ficando mais frequente?
O bullying sempre existiu, mas foi potencializado e adquiriu visibilidade com o advento do cyberbullying. Antes, era considerado brincadeira de criança. Hoje, é visto como um padrão de agressão aprendido, que pode se cristalizar até a vida adulta.
É possível erradicar a prática?
Assim como a violência na sociedade, não é possível eliminá-la. O que se pode fazer é reduzir. Mas a maior parte das escolas não tem programas permanentes. Fazem só ações pontuais, o que é insuficiente.
Por que é tão difícil o combate?
É difícil porque a educação em valores respeito, cooperação, gentileza está deficiente. Imperam na família e sociedade modelos de desrespeito; mostra-se que é legítimo se divertir com o sofrimento dos outros. A substância do bullying é o desrespeito e a discriminação.
Que tipo de medida pode reduzir o bullying?
Uma ação que envolva a todos, dos funcionários às famílias, em um projeto de longo prazo. Mas essa parceria, que é absolutamente essencial, é também rara. A escola costuma acusar a família de não educar. A família tende a responsabilizar a escola, onde ocorre o problema.
Um agressor deve ser punido?
Consequências precisam acontecer. Mas não adianta que seja apenas punido, ele tem passar por uma conscientização e tem de haver uma reparação ao agredido. E deve haver ainda um trabalho com os expectadores.
Por que os expectadores?
Existe a plateia passiva, que finge que não vê, e a plateia cúmplice, que apoia. Mas pode existir uma plateia transformadora, que, ao presenciar o bullying, tenta inibir a ação do agressor e dar força à vítima.
O que os pais de um agredido devem fazer?
Primeiro, escutar o filho. Depois, buscar uma parceria com a escola. Não adianta tirar da escola, fora casos excepcionais. Se a vítima não fizer um trabalho para se fortalecer, pode voltar a ser vítima. Porque muitas vezes ela pertence a um grupo alvo de preconceito ou é alguém que se destaca e causa inveja.
E os pais de um agressor?
O primeiro passo é refletir sobre onde o filho está aprendendo aquele comportamento. Muitas vezes é de dentro de casa.
QUEM É:
MARIA TEREZA MALDONADO
É autora de A Face Oculta Uma História de Bullying e Cyberbullying, voltado para a conscientização de crianças e adolescentes. Atualmente trabalha em um livro teórico sobre o tema.
Fonte:http://estadao.br.msn.com/educacao/artigo.aspx?cp-documentid=25639802

       O Bullying é uma prática abusiva que muitas vezes conta com  o apoio ou a omissão de muitas pessoas que presenciam e até se divertem com o sofrimento das vítimas.

        Após ler os textos sobre a prática do Bullying, produza um texto sobre o tema. Apresente sua opinião sobre a questão, analisando os motivos das pessoas que praticam essa forma de violência, dando sugestões de como devem agir as vítimas e as pessoas que presenciam o bullying e apresentando possíveis soluções para o problema.
      Em seguida, leia e discuta pelo menos duas opiniões expressas nos comentários postados por seus colegas. 
video

Projeto A Hora da Leitura

Aconteceu, nessa quarta-feira (27/04), o segundo dia do projeto A Hora da Leitura.
O texto lido e analisado, sugerido pelo professor Ricardo, de Biologia, do turno da noite  foi

Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida... 
Um dia, quando os funcionários chegaram para trabalhar, encontraram na portaria um cartaz enorme, no qual estava escrito: "Faleceu ontem a pessoa que atrapalhava sua vida na Empresa. Você está convidado para o velório na quadra de esportes".
No início, todos se entristeceram com a morte de alguém, mas depois de algum tempo, ficaram curiosos para saber quem estava atrapalhando sua vida e bloqueando seu crescimento na empresa. A agitação na quadra de esportes era tão grande, que foi preciso chamar os seguranças para organizar a fila do velório. Conforme as pessoas iam se aproximando do caixão, a excitação aumentava:
- Quem será que estava atrapalhando o meu progresso?
- Ainda bem que esse infeliz morreu!
Um a um, os funcionários, agitados, se aproximavam do caixão, olhavam pelo visor do caixão a fim de reconhecer o defunto, engoliam em seco e saiam de cabeça abaixada, sem nada falar uns com os outros. Ficavam no mais absoluto silêncio, como se tivessem sido atingidos no fundo da alma e dirigiam-se para suas salas. Todos, muito curiosos mantinham-se na fila até chegar a sua vez de verificar quem estava no caixão e que tinha atrapalhado tanto a cada um deles.
A pergunta ecoava na mente de todos: "Quem está nesse caixão"?
No visor do caixão havia um espelho e cada um via a si mesmo... Só existe uma pessoa capaz de limitar seu crescimento: VOCÊ MESMO! Você é a única pessoa que pode fazer a revolução de sua vida. Você é a única pessoa que pode prejudicar a sua vida. Você é a única pessoa que pode ajudar a si mesmo. "SUA VIDA NÃO MUDA QUANDO SEU CHEFE MUDA, QUANDO SUA EMPRESA MUDA, QUANDO SEUS PAIS MUDAM, QUANDO SEU(SUA) NAMORADO(A) MUDA. SUA VIDA MUDA... QUANDO VOCÊ MUDA! VOCÊ É O ÚNICO RESPONSÁVEL POR ELA."
O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos e seus atos. A maneira como você encara a vida é que faz toda diferença. A vida muda, quando "você muda".

 Os professores buscaram várias estratégias para desenvolver a atividades visando à adequação com o ano de escolaridade e a idade dos alunos de suas turmas.
Veja um exemplo de como a professora Luciana, de Artes, trabalhou o texto com as suas turmas do 2º ano, do Ensino Médio.
  Sua estratégia envolvia a produção de paráfrases do texto com os gêneros textuais histórias em quadrinhos e charges.






6 de abril de 2011

De Olho no SAERJINHO


1.     No próximo dia 13 de abril, a Secretaria de Estado de Educação dá início ao Saerjinho, sistema de avaliação bimestral do processo de ensino e aprendizagem nas escolas. A partir de agora, os alunos do 5º e 9º ano do Ensino Fundamental e das três séries do Ensino Médio das escolas estaduais de ensino regular presencial farão, ao final de cada bimestre, provas de Língua Portuguesa e de Matemática. O objetivo é acompanhar mais de perto o rendimento dos estudantes, detectando de maneira mais ágil e fiel as dificuldades de aprendizagem.
2.      Os resultados vão apontar a eficiência e a qualidade do trabalho desenvolvido em cada unidade escolar e serão aproveitados nas diversas instâncias do sistema de ensino. Com este retrato será possível, por exemplo, ajustar as práticas docentes à realidade dos estudantes e traçar políticas públicas de melhoria da qualidade da Educação Básica.
3.      O Saerjinho será realizado em todas as escolas da rede, nos três turnos, no horário das aulas, sendo o professor que estiver em classe o responsável pela aplicação das provas. As escolas devem iniciar as provas uma hora após o início das aulas e fiscais acompanharão todo o processo. As provas ficarão nas escolas para correção e os professores podem usá-las como parte das avaliações em cada bimestre, atribuindo peso específico a elas.
4.      É muito importante que os alunos participem e que toda escola esteja envolvida neste processo! Essas provas ajudarão a SEEDUC a fazer uma escola ainda melhor para todos! 

TIRANDO AS DÚVIDAS SOBRE O SAERJINHO

 1) Quem deve fazer o SAERJINHO 2011 – 1º bimestre?

A avaliação bimestral/Saerjinho a ser realizada em 13 de abril será apenas para o Ensino Regular com a seguinte abrangência: 5º e 9º ano do Ensino Fundamental Regular e 1ª, 2ª e 3ª séries do Ensino Médio Regular.

2) Quais as disciplinas que serão avaliadas?

As disciplinas avaliadas serão Português e Matemática, que estão vinculadas aos tópicos/habilidades/conteúdos que compõem a parte obrigatória do Currículo Mínimo.

3) Quem aplica as avaliações do SAERJINHO?

A função de Aplicador será exercida pelo professor que estiver na turma no momento da aplicação da avaliação, profissional da educação, da própria escola, e esta atribuição não será remunerada. As provas serão aplicadas em data única em todas as escolas da rede pública estadual de educação e a escola não deverá manter quaisquer outras atividades extras neste dia, devendo priorizar a realização da avaliação.

4) Qual o tempo de duração da avaliação bimestral?

A duração estimada para a aplicação dos testes é de 02 (duas) horas. Todos os alunos deverão ser orientados pelo Professor Aplicador sobre a forma correta do preenchimento do Cartão de Respostas. Caso o tempo de aula do professor aplicador termine antes do tempo da avaliação, o professor que vier em seguida assumirá a aplicação normalmente, ou seja, devendo ser respeitado o tempo de aula de cada professor. As trocas deverão ocorrer de acordo com a rotina de aula da unidade escolar. Essa organização ficará a critério do diretor, ressaltando que, em hipótese alguma, a avaliação deverá ser interrompida em razão de troca do Professor Aplicador.

5) Quem corrige?

Serão responsáveis pela correção das provas os professores de Português e Matemática de cada turma avaliada. Após a correção das provas, o professor entregará ao seu Diretor o gabarito de correção utilizado, para isso terá o prazo de dois dias da data da prova.

6) Haverá um gabarito oficial?

Cada professor de Língua Portuguesa e Matemática das séries avaliadas deverão elaborar um gabarito próprio e entregá-lo ao Diretor da sua unidade escolar para que o mesmo lance no sistema até o dia 15/04. Caso o professor possua mais de uma turma da mesma série, o mesmo só irá elaborar apenas um gabarito, ou seja, o gabarito é feito por série e não pelo número de turmas que o professor possua - um gabarito para o 5º ano e um gabarito para o 9º ano do Ensino Fundamental Regular; um gabarito para a 1ª série, um gabarito para a 2ª série e um gabarito para a 3ª série do Ensino Médio Regular. Haverá a divulgação online do gabarito e resultado oficial após a realização da avaliação bimestral.

7) Pode-se substituir a avaliação bimestral da escola pelo SAERJINHO?

A Portaria E/SAPP nº 48/2004 enfatiza que o professor deve empregar no mínimo três instrumentos diversificados para verificar se as habilidades e competências propostas em seu planejamento foram desenvolvidas pelo aluno. Este procedimento reforça a ideia de que a avaliação não deve ter caráter terminal, e nem se esgota numa prova organizada ao final do período. Caberá a cada unidade escolar, juntamente com os professores das disciplinas avaliadas, corrigir as provas e atribuir peso a cada questão que a compõem, podendo a mesma substituir a avaliação bimestral da escola ou ser utilizada também como trabalho, teste ou outro critério que o professor deseje adotar.

8) Onde ficarão os cadernos de teste?

Todos os cadernos de testes, em branco e preenchidos, ficarão na escola para serem utilizadas a critério do professor.

9) O que faremos com o Cartão Resposta?

Todos os Cartões Respostas, em branco e preenchidos, serão recolhidos, colocados em envelope e entregues ao Diretor da Unidade Escolar. O Diretor de posse de todos os envelopes da sua unidade escolar deverá, até o dia 15/04, entregá-los à Diretoria Regional de sua abrangência.

10) Como serão disponibilizados os resultados das avaliações?


Os resultados da avaliação bimestral serão disponibilizados para o Diretor Regional, Gestor Escolar, Diretor de Unidade e Professor por meio de um sistema online.

11) O que o Professor Aplicador deverá entregar ao Diretor da unidade escolar ao final da aplicação?

O Professor Aplicador, ao final da aplicação, deverá devolver ao seu Diretor o envelope da turma lacrado contendo: Cartões de Respostas; Lista de Presença; Formulário de Controle da Aplicação; Relatório do Fiscal.

12) Qual o prazo que o Diretor possui para lançar os gabaritos dos professores no sistema?

O Diretor terá 02 dias de prazo, a contar do dia seguinte da realização da avaliação bimestral, para inserir os gabaritos dos professores no sistema.

13) Se a EJA faz SAERJ no final do ano, porque não fará o SAERJINHO?

A avaliação bimestral/Saerjinho utilizou para elaboração de sua matriz de referência o Currículo Mínimo do Ensino Regular, com o objetivo de acompanhar o processo ensino-aprendizagem.


4 de abril de 2011

Reunião Pedagógica Gestão Integrada de Ensino - GIDE

A comunidade Escola do CIEP BRIZOLÃO 113 - Waldick Pereira reuniu-se quarta-feira (30/03) para tratar do Programa Estadual de Educação lançado pela Secretaria de Educação do Estado do Rio de Janeiro
O programa tem por visão de futuro colocar o Estado do Rio de Janeiro entre os cinco melhores resultados do SAEB até 2014.
A reunião foi  presidida pela Diretora Geral Ruth Brasil que apresentou os objetivos, as dimensões da avaliação externa do Estado do Rio de Janeiro e as metas a serem alcançadas até 2014.
Na ocasião também estiveram presentes a diretora adjunta Mírian Vasconcelos, a Secretária Zuleide, a Orientadora Tecnológica Rosalva Araujo, além dos professores, funcionários, responsáveis, e alunos do CIEP 113.







3 de abril de 2011

Imagem é tudo


Imagem é tudo já dizia o comercial de televisão.
Para ser trabalhada em sala de aula, as imagens constituem-se em excelente recurso para o desenvolvimento de habilidades de leitura e de interpretação de textos.
Para trabalhar esse tema, professores do CIEP 113 participaramde uma oficina pedagógica apresentada pela Orientadora Tecnólogica Rosalva Araujo, nesse sábado (02/04).

TEMA: IMAGEM É TUDO: Leitura e interpretação de textos visuais: pelo multiletramento nas práticas pedagógicas dos alunos do ensino médio

 APRESENTAÇÃO E JUSTIFICATIVA:
Vivemos no tempo em que a mensagem escrita de forma linear tradicional cede lugar à mensagens visuais e em que a comunicação se faz através de símbolos, ícones, gráfico, e de imagens que promovem a comunicação de valores, ideias e a transmissão de cultura de forma cada vez mais rápida.
Nesse sentido, é importante a inserção de práticas pedagógicas que assegurem o desenvolvimento de competências estéticas e críticas dos alunos através dos significados da comunicação visual como forma de torná-lo apto para a leitura do mundo em que ele atua.
O desenvolvimento de ações que promovam o desenvolvimento de habilidades e competências de leitura estética e crítica deve ser uma das responsabilidades da escola.
Conscientes de que todos estão expostos a toda sorte de comunicação visual, o projeto se justifica considerando-se a “inserção de práticas pedagógicas no currículo escolar que tentem sistematizar o que nosso aluno já faz aleatória e inadvertidamente fora de sala de aula”[1]

OBJETIVOS:
- Integrar pedagogicamente as diversas mídias existentes na escola;
- Promover a formação continuada em serviço dos docentes;
- Ampliar os espaços de construção coletiva de conhecimentos;
- Ampliar o universo conceitual e o vocabulário
- Aplicar a matriz de referência de Língua Portuguesa do Sistema de Avaliação da Educação Básica – SAEB;
- Utilizar a mídia suporte aplicada aos gêneros textuais propostos pelo currículo mínimo;
- Introduzir e fortalecer o conceito de imagem como texto;
- Aprofundar o aspecto crítico na leitura de textos visuais;
- Criar significados a partir da concepção multimídia do texto;
- Ler e interpretar textos segundo princípios semióticos realizados de diferentes modos;
- Desenvolver aspectos estéticos e de apreciação crítica de textos visuais.

REFERENCIAL TEÓRICO

O projeto fundamenta-se na pedagogia de projetos e na concepção de multiletramento e da multimodalidade textual proposta por autores como de GARIBALDI (2004); KRESS & VAN LEEUWEN (1996); DIONÍSIO (2005); MARCUSCHI (2005); dos PCNs (1998).
Segundo Garibaldi (2004, p.16), “os projetos são sugeridos como alternativa viável, cuja função é a de transformar a aprendizagem em algo contextualizado, significativo, mais dinâmico e motivador”.
KRESS & VAN LEEUWEN (1996) afirmam que devemos buscar “olhar uma página inteira como um texto integrado (...) tentando derrubar as fronteiras disciplinares entre o estudo da língua e o estudo das imagens” (1996:183).
 “A noção de letramento como habilidade de ler e escrever não abrange todos os diferentes tipos de representação do conhecimento existentes em nossa sociedade. Na atualidade, uma pessoa letrada deve ser uma pessoa capaz de atribuir sentidos a mensagens oriundas de múltiplas fontes linguagem, bem como ser capaz de produzir mensagens, incorporando muitas fontes de linguagem”. (DIONÍSIO, 2005: 159)

METODOLOGIA

O projeto se dará por meio de oficinas pedagógicas e será desenvolvido a partir da leitura e da análise crítica e estética de diversos gêneros textuais visuais como: telas de pinturas; fotografias; encartes e folders, logomarcas, desenhos, caricaturas, gravuras, etc com o apoio de mídias impressas e digitais, durante todo o aluno letivo.


OFICINA 01: A pintura em tela:
Tema: A dança da vida, de Edward Munch
Atividade 1: Leitura e interpretação do texto visual (apresentação eletrônica)
Atividade 2: Resenha crítica de Bia Moreira (editor de textos, reprodução fotocopiada) – leitura e análise do texto; exercícios com ênfase na matriz de referência de Língua Portuguesa do SAEB;
Atividade 3: Resumo do texto A dança da vida – (produção textual – técnicas do apagamento; da generalização e da construção)

RECURSOS:

- Computador e impressora;

- Internet;

- Mídia de armazenamento;

- Ferramentas editor de textos e apresentação eletrônica

- Equipamento multimídia;

- material impresso de apoio;

- TV e Vídeo

- Livros, jornais e revistas diversos;

- Encartes e foldes diversos;

- Telas de pinturas

- Gravuras diversas, etc


RESULTADOS ESPERADOS:
Espera-se que o aluno, reconheça e diferencie os diversos gêneros textuais visuais assim como sua função e intencionalidade do autor
AVALIAÇÃO: A partir da participação nas atividades propostas considerando-se os aspectos qualitativos em predominância sobre os quantitativos. 
REFERÊNCIAS 
BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: língua portuguesa. V. 2. Brasília: A Secretaria, 1998. 
DIONÍSIO, A. P. Multimodalidade discursiva na atividade oral e escrita. In: MARCUSCHI, L. A.; DIONÍSIO, A. P. Fala e escrita. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. 
GARIBALDI, A.B. Interação em Projetos Colaborativos em Rede em Ambientes de Inglês como LE. Dissertação de Mestrado. Brasília, DF: Universidade de Brasília, 2004. 
KRESS, G. & VAN LEEUWEN, T. Reading Images: The Grammar of Visual Design. London: Routledge. 1996. 
OLIVEIRA, Sara. Texto visual e leitura crítica: o dito, o omitido, o sugerido. Linguagem & Ensino, Vol. 9, No. 1, 2006. 
http://www.moderna.com.br/moderna/novidades2007/medio/oficina_oficina.htm 
http://www.faccamp.br/apoio/CleberLima/arte_sec_XX/apresentaCAo-EdwardMunch.pdf

[1] OLIVEIRA, Sara. Texto visual e leitura crítica: o dito, o omitido, o sugerido. Linguagem & Ensino, Vol. 9, No. 1, 2006

Agora  é a hora da pausa para o cafezinho






Pesquisar este blog

Seguidores